Como você gerencia suas emoções no trabalho? (2ª Parte)

Nessa etapa irei mostrar como as emoções influenciam as funções da nossa vida mental, desde das nossas pensandopercepções de como reagimos perante as emoções através do exercício de autoconsciência e a quais são as estruturas cerebrais responsáveis pelas emoções. Entender as emoções parece-nos muito complicado, pois bem, simples não é, mas vamos por etapa e entender como funciona o processo das emoções e como gerencia-las.Antes de partimos, primeiramente, vamos entender de forma bem resumida o papel do cérebro com as emoções. O Sistema Límbico é um conjunto de estruturas do Sistema Nervoso Central (SNC) envolvidas com a regulação das emoções. A amígdala filtra as informações sensoriais que chegam a ela, principalmente as que causam medo e ansiedade, e avaliar a natureza emocional para atribuir um significado. O hipotálamo está relacionado com os mecanismos de recompensa que regulam as emoções. As estruturas como hipotálamo, através de suas conexões com o Sistema Nervoso Autônomo (SNA), bem como a hipófise são responsáveis pelas manifestações fisiológicas das emoções.  Córtex pré-frontal não faz parte do circuito límbico tradicional, mas suas intensas conexões bi-direcionais com o tálamo, amígdala e outras estruturas sub-corticais, explicam o importante papel que desempenha na expressão dos estados afetivos. Portanto, as estruturas límbicas, amígdala e o córtex pré-frontal, são conhecidas como o centro da expressão emocional.

Quando voltamos nossa atenção para dentro, ou seja, para nossas emoções, você pode perceber como ela é evidente e, ao mesmo tempo complexa. No entanto, às vezes, você pode não saber de onde vêm algumas reações, como por exemplo, ao acordar para trabalhar logo de manhã com a sensação desagradável, talvez por se lembrar de que haverá uma reunião e na sua cabeça ela será improdutiva, mas no meio do dia, logo que encerrou a reunião, você sente uma sensação agradável. Mais por quais razões para algumas pessoas o humor pode variar com certo grau de frequência no mesmo dia?

No dia a dia, sem você dar conta, nós vivemos com elas em determinadas situações que possam nos dar prazer e alegria e, outras evitando aquelas que irão causar irritação, aborrecimento ou decepção, mas você percebe essa variação?

As emoções funcionam como uns impulsos para agir, essas tendências de agir estão relacionadas aos aspectos biológicos que são moldados por nossa experiência e pela cultura. E você age mais emocionalmente ou racionalmente?

Você já passou por momentos no trabalho, ou até na vida pessoal, quando as emoções perturbam o seu pensamento? Pois bem, as emoções funcionam como nosso guia nas decisões a cada momento, lidar com ela depende certamente das aptidões que cada um desenvolveu para identificar, interpretar, avaliar e possivelmente modificar os julgamentos das emoções.

As pessoas com prática emocional mais desenvolvidas, ou seja, que conhece melhor as próprias emoções têm mais probabilidade de sentirem-se satisfeitas e serem mais eficientes no trabalho e na vida pessoal.

As emoções podem influenciar na produtividade e exercer como um sabotador na capacidade de se concentrar, de criar e de propor soluções criativas, pois a primeira reação, caso não seja positiva é criar barreiras, principalmente no âmbito profissional, social e pessoal.

Deste modo, o nosso primeiro exercício é auxiliá-lo como você gerencia as suas emoções, através do exercício da autoconsciência.  

Você conhece as suas próprias emoções? A autoconsciência é a capacidade de se reconhecer e de controlar os sentimentos, pois a cada momento é crucial; realizar esse básico, mais importante exercício de autoconsciência é uma técnica fundamental, para o discernimento e a compreensão dos fatos, auxilia-o no sentido de observar seu modo de sentir, reagir e como você as comanda, sendo o seu próprio piloto.

Conhecer-te a ti mesmo, através da autoconsciência é identificar as suas emoções e ter a consciência ao mesmo tempo de como está o seu estado emocional, ou melhor, o seu estado de espirito, pois, a clareza de como se sente tende a fortalecer o seu potencial de ser uma pessoa mais segura de seus próprios limites, e a tendência é ter uma perspectiva mais positiva perante uma determinada situação. Como por exemplo, uma reunião de negócios você tem uma apresentação referente aos resultados obtidos, entretanto, até o momento você ainda não atingiu o prazo acordado. Um profissional inundado de emoções negativas nesse momento, tende a sentir incapaz de resolver e, até mesmo, de propor uma nova estratégia diante da sua aflição/preocupação.

A autoconsciência ajuda você a acessar o seu estado emocional e identificar o que lhe incomoda, vamos exercitar algumas dicas de autoconsciência:

  1. Primeiro você acessa e avalia o seu estado emocional, vamos usar de um exemplo para facilitar o exercício: percebe que você está irritado, tende a pensar a origem da causa. Qual a situação que gerou esse estado e por que você se sente assim? Fez, essa reflexão e identificou a causa que gera/gerou o problema.
  2. Certo, agora preste atenção de como está o seu nível de irritação. Se o nível for elevado, aconselho a princípio não tomar nenhuma ação, pois quando estamos com sensações elevadas de sentimentos “bombeando o nosso pensamento”, certamente numa conversa decisiva você pode compartilhar informações que de certo modo, se você parar para pensar e realizar o exercício da autoconsciência, não tomaria certas decisões, ou falaria “daquela” forma. Percebe que quando você está mais calmo, tende a refletir melhor e que o resultado desse exercício amplia a sua percepção – o que ocorre ao seu redor, principalmente através dos nossos sentidos, determina o seu modo de pensar e de agir.

Somos responsáveis por nossas ações, então sejamos capazes de controlar o que sentimos. Você ao entrar numa reunião para negociar e na sua mente você tem apenas uma solução e, caso não consiga atingir o resultado desejável, num momento de contrariedade, e você já possuiu um determinado comportamento inapropriado, como por exemplo, de se “isolar” frente as contrariedades, os filtros distorcidos, podem transformar sua interpretação de maneira errônea, como foi mencionado, geralmente sentimentos negativos anulam o nosso potencial e limita você a desafiar de forma saudável a sua capacidade  perceptiva de tomar decisão ou de propor, pois quando ampliamos a nossa percepção  de como reagimos, estamos mais preparados para enfrentar os desafios da vida.

Procure perceber o que ocorre em sua volta e amplia a sua percepção através do exercício da autoconsciência e reflita:

O que você deseja alcançar?

Existe alguma situação atual que faz disso um problema?

O que você acha que está acontecendo com você quando depara com esse problema?

Quais são suas opções para resolver isso?

O que é importante para você?

No final o que você sente? Fará bem para você?

 

Até a próxima, com outras dicas importantes de como gerenciar as emoções.

 

Mas antes, “Para você, nós controlamos nossas emoções, ou são elas que nos controlam?”

 

Por: Luciane Rodrigues – Corporate Development and Personnel Manager – ERP Marketplace

Fontes Pesquisadas:

Jonh Writmore. Coaching para performance. 2012

Augusto Cury. Gestão da Emoção. 2015

Joseph Le Doux. O cérebro Emocional. 2011

Daniel Goleman, O cérebro e a Inteligência Emocional – Novas Perspectivas. 2012

Paulo Vieira. O poder da Ação. 2015

Daniel Fuentes, Leandro Diniz, Candida Camargo, Ramon Cosenza e colaboradores. Neuropsicologia: Teoria e Prática. 2008

Kerry Patterson, Joseph Grenny, Ron Mcmillan e al Switzler. Confrontos Decisivos. 2012

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *